Últimas Notícias

<< Voltar

Saperj promove reunião para discutir ações de fomento ao setor da pesca

Por Geiza Mesquita Em 8 de agosto de 2017 |

No dia 8 de agosto, o presidente da Federação da Agricultura, Pecuária e Pesca do Estado do Rio de Janeiro – FAERJ – Rodolfo Tavares, participou de uma reunião na sede do Sindicato dos Armadores de Pesca do Estado do Rio de Janeiro – SAPERJ – para discutir a necessidade de implementar ações de fomento ao setor da pesca junto com à Prefeitura de Niterói.

Para a carteira de projetos da Prefeitura de Niterói entre os anos de 2017 e 2020, propõem-se ações como a construção de um Entreposto de Pesca para estimular o fortalecimento da produção e consumo de pescado, bem como inserir o turismo na atividade pesqueira.

Estiveram presentes na reunião o vice-prefeito de Niterói, Dep. Estadual Comte. Bittencourt, o secretário de desenvolvimento, Luiz Paulino, a subsecretaria de pesca, Cristina Contreras, a subsecretaria do núcleo de gestão estratégica, Glaucia Macedo, o presidente da FAERJ, Rodolfo Tavares, o vice-presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores Aquaviários, Luis Penteado, o presidente do Sindicato dos Pescadores do Rio de Janeiro, Antônio Moreira, o vice-presidente do SAPERJ, Eduardo Miranda, e diversos armadores de pesca.

Na abertura da reunião o vice-presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores Aquaviários, Luis Penteado, enfatizou o apoio do setor para a elaboração do projeto do Entreposto considerando a importância da atividade pesqueira para o munícipio e que, até então, as poucas iniciativas ocorridas não atenderam às necessidades da pesca comercial industrial.

O presidente da Faerj, Rodolfo Tavares, fazendo uma analogia com a canção de Chico Buarque Gota D´água, cujo trecho da letra diz “deixe em paz meu coração que ele é um pote até aqui de mágoa e qualquer desatenção pode ser a gota d´água”. Tavares lembrou que várias inaugurações de pedra fundamental de Entreposto de Pesca já foram feitas, entretanto nada saiu do papel, mas que mesmo assim a luta deveria continuar que um dia a construção do Entreposto se torne uma realidade.

Rodolfo Tavares também citou que Niterói tem um valioso patrimônio e pessoas vocacionadas para a pesca.

“A economia do Rio de Janeiro não poder estar dependente exclusivamente do petróleo, sendo a atividade pesqueira uma outra importante opção para o desenvolvimento econômico do Estado, além da sua relevância estratégica, uma vez que a área marítima que abrange todo litoral do Rio de Janeiro é duas vezes maior que a área continental do Estado”.

Conclui ainda que o setor e esferas do governo devem unir esforços para o desenvolvimento da atividade pesqueira, principalmente na construção de um Entreposto, uma vez tratar-se de uma atividade geradora de renda e milhares de emprego e que contribuiu para a segurança alimentar da população fluminense.

O secretário de desenvolvimento de Niterói Luiz Paulino também afirmou que a construção de um entreposto de pesca é um sonho que vem sendo acalentado há anos e que, embora Niterói tenha vocação para a pesca, a boa infraestrutura do passado se perdeu com o tempo. Portanto, faz-se necessário dar o primeiro passo para reverter esta situação já que a Prefeitura tem uma área disponível para a construção do Entreposto e espera a participação do setor privado para viabilizar o empreendimento, que poderá trazer muitos recursos para Niterói, inclusive incrementando o turismo.

O vice-prefeito de Niterói Comte. Bittencourt manifestou a sua satisfação de estar passando uma manhã no SAPERJ para tomar conhecimento desta importante atividade e que ficou impressionado com os números significativos de pessoas, produção e valores que a pesca envolve, afirmando o compromisso da Prefeitura de Niterói em refazer o arranjo produtivo do setor pesqueiro.

Enfatizou que as dificuldades na atualidade existentes na pesca são preocupantes pois se trata de uma atividade que representa um papel importante na cadeia alimentar e se compromete, com a participação do setor, de buscar um caminho para viabilizar o projeto de construção do Entreposto de Pesca.

Também citou que na sua atividade parlamentar, como Deputado Estadual, não se lembra de questões relacionadas à atividade pesqueira terem sido debatidas no plenário da ALERJ, e que se coloca à disposição do setor para futuros encaminhamentos e proposições.

A subsecretaria do núcleo de gestão estratégica Glaucia Macedo apresentou o Planejamento Estratégico de Niterói 2017/2020 onde está previsto a elaboração de projetos estruturantes para o munícipio, entre os quais aqueles que se relacionam com a pesca como o do polo pesqueiro, dragagem do canal de São Lourenço e Mercado Municipal Feliciano Sodré, todos eles dentro do sistema de parceria público privado (PPP).

Da parte dos armadores basicamente foi citado que o amplo complexo industrial pesqueiro que existia em Niterói e municípios vizinhos migrou para outro Estado e que a inexistência de um Entreposto de Pesca, entre outros motivos, contribuiu para o esvaziamento e enfraquecimento da pesca do Estado.

O assessor técnico do SAPERJ, Comte Leme, apresentou na reunião um sumário do contexto da pesca industrial do Estado do Rio de Janeiro, abordando os seguintes pontos: conceitos da pesca comercial, dados da produção de pescado, características da frota filiada ao SAPERJ e entrepostos de pesca existentes em outros países.

Por último, finalizou que a ausência do poder público no setor pesqueiro do Rio de Janeiro ocorre há década e medidas efetivas devem ser tomadas de modo a reverter o panorama negativo para a pesca como uma atividade econômica sustentável, e que a inversão da tendência do declínio pode ser realizada com uma série de medidas factíveis de serem implementadas, sendo uma delas a construção de um Entreposto de Pesca em Niterói.

Como encaminhamento ficou decidido a realização no dia 16 de agosto de uma reunião de trabalho na Prefeitura de Niterói para iniciar o planejamento do projeto do Entreposto de Pesca de Niterói.

Com informações da SAPERJ​

Artigos Relacionados